A bit of inspiration to start the day! #WomenInspire

Meet Veronika, CEO and founder of The Empowerment Plan, who empowers women to become more independent. #WomenInspire

To meet more inspiring women that are making a difference, check http://www.gap.com/onestitchcloser

Para pensar… em igualdade / Something to reflect… on equity

O jornal judaico ultra-ortodoxo “Der Tzitung”, editado pela comunidade hassídica em Nova York, apagou Hillary Clinton da agora famosa imagem na Casa Branca durante a morte de Osama bin Laden por proibir a publicação de fotos de mulheres em suas páginas.

Além da secretária de Estado dos EUA, outra mulher foi apagada na imagem “photoshoppada”. Trata-se da diretora nacional de operações contraterrorismo americana, Audrey Tomason, que aparece mais ao fundo da equipe na sala de controle em Washington.

A comunidade hassídica (também conhecida pelo termo chassídica) é um dos ramos do judaísmo ultra-ortodoxo, e tem suas próprias interpretações dos costumes e leis judaicas. Um blogueiro membro da comunidade postou a imagem em seu site e comentou que anos atrás as mulheres de rabinos ou da comunidade apareciam no jornal de forma censurada, para não serem identificadas. Agora, elas são simplesmente apagadas.

Um rabino ouvido pela CNN disse que o jornal não publicas fotos de mulheres “porque poderiam ser sexualmente sugestivas”.

Claro, Tirar Hillary Clinton da foto faz notícia! mas me questiono quantas outras mulheres simplesmente passam negligenciadas, excluídas ou mesmo “photoshoppadas” diariamente em varias partes do mundo.

Realmente me pergunto, como é possível garantir igualdade entre gêneros e o empoderamento das mulheres em lugares onde nem mesmo nos jornais (feitos para reportar a vida diaria da comunidade) as mulheres podem sequer aparecer. Acho que precisamos refletir mais sobre os limites entre a proteção e exclusão.

The ultra-Orthodox Jewish newspaper “Der Tzitung”, edited by the Hasidic community in New York, erased Hillary Clinton from the famous White House picture during the death of Osama bin Laden because the publication of pictures of women is forbidden on their pages.

Besides the U.S. secretary of state, another woman in the “Photoshopped” picture was deleted. It is the American national director of counterterrorism, Audrey Tomasoni, which appears a bit further behind the team in the control room in Washington.

The Hasidic community (also known by the term Chassidic) is one of the Ultra-Orthodox branches of Judaism, and they have their own interpretations of the customs and

Jewish law. A blogger from the Hasidic community posted a picture on his blog and commented that years ago women from the community appeared in newspapers somehow censored, as not to be identified. Now, they are simply erased.

A rabbi heard by CNN said the newspaper do not publish photos of women “because they could be sexually suggestive.”

Sure, taking Hillary Clinton out of the picture can make some news! But I wonder how many other women are simply neglected, excluded or even “Photoshopped” daily in various parts of the world.

I really wonder how we can ensure gender equality and women empowerment in places where not even in newspapers (made for reporting the daily life of the community) women can appear. I think we need to reflect more about the boundaries between protection and exclusion.