Festival Clímax – Vamos direto ao ponto?

Festival Clímax

 

Em 26 de novembro, começou mais uma rodada de duas semanas de negociações da ONU sobre mudanças climáticas, a CoP-18, em Doha, no Qatar. Pensando em aproximar as pessoas da temática do aquecimento global, as organizações da sociedade civil 350.org Brasil e Change Mob realizam o “Festival Clímax – Vamos direto ao ponto?” para mostrar que as mudanças climáticas já fazem parte do nosso cotidiano.

O evento acontecerá na Câmara Municipal de São Paulo, na Matilha Cultural e na Viração, entre os dias 5 e 9 de dezembro, com exibição de filmes, realização de oficinas e rodas de conversas sobre temas relacionados ao aquecimento global e nossas vidas.

“É muito importante chamar atenção para a realidade das mudanças climáticas enquanto representantes de governos do mundo inteiro estão reunidos no Qatar. As pessoas estão ligando os pontos e percebendo que a mudança do clima já está afetando suas rotinas, seja pelo desconforto e impactos na saúde com dias com recorde de temperaturas altas em determinada região, seja perdendo suas casas por causa de uma tempestade atípica, cada vez mais frequente. Precisamos agir local e rapidamente, pois os negociadores parecem ignorar a urgência e a dimensão do problema que estamos enfrentando”, disse Paula Collet, coordenadora da 350.org Brasil.

O Clímax tem dois objetivos principais: aproximar mais pessoas da temática e unir as diversas organizações que trabalham com o tema para criarem soluções conjuntas. É importante compreender os impactos do clima na produção de alimentos, na mobilidade, no dia-a-dia das mulheres e a importância das mudanças climáticas como um tema prioritário na governança local das cidades do nosso país.

“O Festival também será uma celebração do trabalho de uma série de organizações da sociedade civil que têm realizado ações em prol da mitigação e adaptação climática na cidade de São Paulo”, afirma João Scarpelini, fundador da Change Mob.

Mais informações e programação atualizada aqui

 

***Veja a Programação do Festival Clímax – Vamos direto ao ponto?

05/12 (Quarta-feira) Tema do dia: Soluções Locais

Local: Sede da Revista Viração (Rua Augusta, 1239)

11:30 – 14:00 – Oficina de Fogão Solar com Greenpeace

Local: Câmara Municipal (Palácio Anchieta – Viaduto Jacareí, 100 – Bela Vista)
19:00 – 22:00 – Roda de conversa sobre soluções locais
Convidados:
Aline Cavalcante – Bike Anjo
Ariel Kogan – Rede Nossa São Paulo
Gabriela Alem – Ativista
Gilberto Natalini – vereador
Luiz de Campos Jr – projeto Rios e Ruas
Ricardo Young – vereador eleito

06/12 (Quinta-feira) Tema do dia: Alimentação e Consumo

Local: Sede da Revista Viração (Rua Augusta, 1239)
14:30 – 17:00 – Oficina de Estêncil com Komuniki

Local: Matilha Cultural (Rua Rêgo Freitas, 542)
19:00 – Exibição do Filme: Uma Verdade Mais Que Inconveniente / Meat The Truth
20:20 – Roda de conversa sobre alimentação e consumo
Convidados:
Ana Zilda Coutinho – agricultora
Guilherme Carvalho – Sociedade Vegetariana Brasileira
João Paulo Amaral – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC)
Nicole Figueiredo de Oliveira – Humane Society Internacional
Nina Best – Vitae Civilis

07/12 (Sexta-feira) Tema do dia: Gênero e Mudanças Climáticas

Local: Sede da Revista Viração (Rua Augusta, 1239)
15:00 – 17:00 – Oficina para criação de Blog com Escola de Notícias

Local: Matilha Cultural (Rua Rêgo Freitas, 542)
19:00 – CURTAS – Weathering Change / 5 Mulheres que fazem a diferença
19:30 – Roda de conversa sobre gênero e mudanças climáticas
Convidados:
Bárbara Lopes – Blogueiras Feministas
Barbara Gonçalves – Vitae Civilis
Gabriela Veiga – artivista
João Felipe Scarpelini – 350.org e Change Mob
Sulália de Souza – Reciclaangela

8/12 (Sábado) Tema do dia: Ativismo

Local: Matilha Cultural (Rua Rêgo Freitas, 542)
18:00 a 18:30 – CURTAS – Weathering Change / 5 Mulheres que fazem a diferença
18:30 a 19:40 – Uma Verdade Mais Que Inconveniente / Meat The Truth
20:00 a 21:30 – Vai lá é faz / Just do It

9/12 (Domingo)
Local: Matilha Cultural (Rua Rêgo Freitas, 542)
19:00 a 21:00 – Just Do It + Curtas: Weathering Change / 5 Mulheres que fazem a diferença
SINOPSES: 

FILME: Vai lá e Faz / Just do It 
Dir: Emily James
País/Ano: UK / 2011
Duração: 90 min
Classificação: 12 anos
Durante um ano repleto de acontecimentos, foi permitido a Emily James o acesso sem precedentes para filmar o mundo secreto do ativismo ambiental de ação direta. Dois anos mais tarde, Just Do It – um conto de modernos bandidos chega às grandes telas do mundo.
Emily James passou mais de um ano participando em grupos de ativistas, como o Climate Camp e Plane Stupid para documentar suas atividades clandestinas, em condições adversas, capturou mais de 300 horas de filmagem. Essa filmagem foi carinhosamente criada, moldada, por Emily e pelo editor James por mais de um ano para chegarem no resultado que pode ser visto agora no cinema.
O filme é uma história de pessoas que lutam pelo que acreditam e que se fazem serem ouvidas. Era uma história que precisava ser contada sem as limitações criativas de modelos tradicionais de produção ou o controle editorial de grandes investidores. E foi assim que Just Do It – um projeto totalmente independente – nasceu.

FILME: Uma Verdade Mais Que Inconveniente / Meat The Truth
Países Baixos / 2008
Duração 74′
Classificação: 12anos

Sinopse: Documentário feito pelo “Partido dos Animais” da Holanda. É a resposta ao “An Inconvenient Truth” do Al Gore, que trata de algumas das causas do aquecimento global, poluição e males afins, mas deixa a questão da pecuária de lado (por motivos políticos). A pecuária é a maior responsável por essa devastação. O mais interessante neste vídeo, é que ele nos alerta para o fato de que 18% das emissões de gases no mundo são causados pela pecuária, enquanto 13%, são causadas pelos transportes! Carros, tratores e aviões causam menos efeito que a pecuária, e muita gente não acredita, ou nem sabe disto, ou não imagina que o impacto seja tanto.

 

SESSÃO CURTA METRAGENS

Weathering Change 
O filme nos leva a Etiópia, Nepal e Peru para ouvir as histórias de quatro mulheres, que lutam para cuidar de suas famílias, enquanto enfrentam perdas de colheitas e escassez de água. Como a população mundial atinge 7 bilhões em 2011, o filme mostra como as mulheres e as famílias já estão adaptando aos desafios ambientais que ameaçam a sua saúde e os seus meios de subsistência.

Weathering Change documenta como o planeamento familiar, a educação das meninas, agricultura sustentável e conservação ambiental são parte da solução. O filme chama para a expansão ao acesso à contracepção e capacitação das mulheres para ajudar as famílias e as comunidades se adaptar aos efeitos da mudança climática.

5 Mulheres que fazem a diferença
O vídeo 5 Mulheres que fazem a diferença aborda a questão da percepção das mudanças climáticas em ambientes urbanos. Além disso, mostra a experiência de 5 mulheres que buscam no seu estilo de ser/estar/viver uma alternativa ao modelão predador da natureza ou desconectado da relação de dependência com o Planeta.

Sonhar é preciso!

Existe um momento na história de uma grande nação em que ela está tão acordada que começa a sonhar.

E foi exatamente isso que ficou provado com a pesquisa “O Sonho Brasileiro” feita com muito carinho pela incrível equipe da BOX1814. O Brasil está pronto para sonhar e principalmente pronto pra realizar!

O melhor é que isso não é apenas uma intenção, pelo contrário, já existe muita gente fazendo esse sonho brasileiro acontecer dia após dias. A pesquisa descobriu que aproximadamente 2 milhões de jovens com idades entre 18 e 24 anos estão hoje espalhados Brasil afora construindo um país melhor e mais justo através de uma verdadeira revolução.

Só que essa geração não está em busca de grandes lutas, ninguém quer ser super-herói e muito menos mártir. Muito pelo contrário, essa nova geração transformadora é formada por indivíduos como eu e você. Que já nascemos conectados, defendemos várias bandeiras e acima de tudo e acreditamos em no poder revolucionário das pequenas ações.

Sendo eu, um deste vários jovens que acreditam e estão ralando para mudar nosso país pra melhor, não preciso dizer como fiquei feliz com os resultados dessa pequisa.

Tive o privilégio de integrar a Roda de Pensadores que ajudou nas fases finais do projeto, e quanto mais fundo mergulhavamos nas descobertas e nos “achados” da pesquisa, um sentimento grande de realização aflorava dentro de mim.

Bem louco, mas ao conhecer um pouco mais sobre os resultados comecei a me sentir bastante “justiçado”. Foi como se de repente, aquilo tudo que vinha gritando e tentando mostrar à muito tempo, fosse articulado de uma forma clara, eficiente e acima de tudo, convincente. Mais do que isso, essa pesquisa acabou virando uma ferramenta para despertar a atenção de todos, para aquilo que sempre soubemos.

Ignorar o potêncial dos jovens hoje, é fechar milhões de portas e oportunidades para um futuro incrivelmente promissor que nosso país pode viver. Precisamos repensar nossas atitudes e nossas relações e buscar formas de estimular, fomentar e apoiar a criatividade de todo e qualquer jovem que não quer ser apenas mais um, e tem vontade de assumir a responsabilidade de mudar as coisas a seu redor.

A pesquisa também dá um passo a mais, e além de apresentar esse perfil atual de um “novo tipo” de jovem Brasileiro, nos desafia a refletir o que seria de nosso país, se todos esses 2 milhões de jovens transformadores tivessem um sonho em comum?!

Mais do que apresentar uma receitinha pro sucesso do país, através de um estudo semiótico incrível a Box presenteou o Brasil com um incrível mapa das vocações de nosso país.

Para mim está sendo incrível poder acompanhar o impacto da pesquisa nas pessoas, na mídia, nas empresas. Espero realmente que de toda essa “inspiração” tenha um poder transformador e que nossa sociedade consiga refletir isso em ações reais.

Se você ainda não conhece a pesquisa, realmente recomendo a leitura! Todo o conteúdo está a disposição gratuitamente através do site: www.osonhobrasileiro.com.br então vale a pena dar uma navegada e baixar a pesquisa completa em PDF.

Mais daí se você ler, e se inspirar, que tal vestir essa camisa também e compartilhar esse sonho na sua empresa, nas suas redes, com seus amigos. Afinal….

“Sonho que se sonha só

é só um sonho,

Sonho que se sonha junto

é uma realidade!”

Link Loving!

[EN]

– Technology is a great tool – but it is people that will change politics http://www.guardian.co.uk/commentisfree/2011/jun/26/politics-change-new-technology

– Designing Is About The Decisions You Make Every Day http://www.fastcodesign.com/1664085/designing-is-about-the-decisions-you-make-every-day?partner=co_newsletter

– How to start a movement? http://changeobserver.designobserver.com/feature/how-to-start-a-movement/27528/

– Dotspotting to make city data more legible http://flowingdata.com/2011/06/27/dotspotting-to-make-city-data-more-legible/

[PT]

– Quem é o consumidor 2.0? http://amomarketing.com.br/2011/06/consumidor-2-0-por-plannerfelipe/

– Matéria sobre o João Felipe Scarpelini publicada no dia 03/07/2011 no jornal ATRIBUNA, texto Bruno Guedes http://issuu.com/joaofelipescarpelini/docs/03-07-11_joao_felipe_atribuna

Sobre a matéria no Fantástico!

Galera, valeu por todas as mensagens!

Tomei um susto, estava dormindo no busão voltando de viagem  e do nada meu celular começou a bombar com mensagens falando do fantástico.  Justamente o dia q eu tava fora a matéria saiu. Mas já consegui ver na internet!
A matéria ficou bem legal.

Para quem não viu:

Só que acabou rolando uma falha de narração e edição que acho que precisa ser esclarecida!!!

Como todos já devem saber, o tal jogo que  eles falaram na matéria é o Oasis, que na verdade foi criado por um grupo de jovens arquitetos de Santos já há uns 15 anos atrás, esse grupo hoje se chama Instituto Elos (www.institutoelosbr.org.br) e eles fazem trabalhos fenomenais, incluindo a facilitação de vários Oasis pelo Brasil e pelo Mundo.(http://oasismundi.ning.com/)

Eu sou um mega fã da metodologia, e por isso mesmo, no começo deste ano participei do programa dos Guerreiros Sem Armas (http://www.guerreirossemarmas.net/), também idealizado pelo Instituto Elos, onde desenvolvemos (eu e outros 20 guerreiros) o trabalho junto com a galera da comunidade Tiro Naval em Santos, que apareceu rapidinho na matéria.

As imagens do site no computador, e as falas sobre o Oasis, na verdade são a respeito de um dos meus projetos recentes, o Oasis KASWESHA, que recentemente organizamos (Eu e a Jane) na comunidade Kariobangi South, na periferia de Nairóbi no Quênia juntamente com um grupo de jovens da comunidade. (www.oasiskaswesha.blogspot.com).

Claro que depois de tantas horas de gravação, em casa e na comunidade fica difícil cortar e encaixar em um espaço tão curto de tempo. Mas também acho importante garantir os devidos créditos pra quem também merece ter seus trabalhos reconhecidos!

Também é claro, convido a todos para se deliciarem com a pesquisa “O Sonho Brasileiro” (www.osonhobrasileiro.com.br) que é a real estrela da matéria, acabou de ir pro ar.. o site está incrivel e você pode acessar todo o conteúdo dessa pesquisa feita pela BOX1824 que com certeza vai mudar a maneira que entendemos os jovens no Brasil!

Papo de Homem!

Essa materia foi publicada no site: Papo de Homem! por Gustavo Gitti em 06/02/2011

Lembro bem de quando finalmente percebi que outros seres existem, vivem, sofrem, morrem. Tinha acabado de ver Uma Lição de Coragem, com Denzel Washington, um filme desses verídicos sobre violência escolar e um professor fodão que aparece para salvar o mundo. Atortoado depois da cena final, fui para a janela da sala olhar o céu e pensar em todos que naquele momento estavam confusos, insatisfeitos, tristes. Por longos instantes tive a motivação de dedicar a minha vida aos outros, mas no dia seguinte lá estava eu seguindo com visão estreita de novo, como qualquer moleque de 17 anos.

Qualquer, não. Nem todo moleque é assim. Muitos conseguem abrir os olhos e realmente sustentar essa visão bem antes. João Felipe Scarpelini é um desses caras.

Hoje, com 24 anos, ele é consultor em questões de juventude da ONU-HABITAT (Organização das Nações Unidas para Assentamentos Humanos) e trabalha com a UNICEF na Zâmbia, pelo programa de embaixadores climáticos, para capacitar adolescentes de 13 a 17 anos a desenvolver seus próprios projetos. No entanto, sua posição atual não é nada perto das histórias que já ajudou a construir.

João Felipe foi um dos palestrantes do TEDx Amazônia, ao lado de Lama Padma Samten, fundador do CEBB. Aproveitando esse encontro, convidamos Scarpelini para um bate-papo no CEBB SP.

Foi uma hora e meia de muitas histórias. Uma aula sobre empreendedorismo social, trabalho com sentido, dinâmica de ONGs, poder dos jovens, compaixão e todas essas coisas essenciais que não tem nome.

Para a materia na integra, veja: http://papodehomem.com.br/ja-pensou-em-morar-na-africa-para-ajudar-um-grupo-de-criancas-incriveis/ onde vc tambem pode encontrar na integra todos os videos do bate papo no CEBB SP.

(Des)(Re)Construindo a Identidade em um Bule de Café

Bem, como a maioria sabe, este blog eh um projeto que tem seus altos e baixos.

Foi comecado em 2002 sem pretencoes nenhumas, alem de compartilhar de forma simples curta e grossa um pouco do meu dia a dia, aos 16 anos, e falar sobre o que estava rolando no cena jovem pelo Brasil.

Ele teve um pico alto, chegando a ter mais de 3 mil acessos diarios em 2003, ainda com o nome de “Mundo do Johnny”, com direito a apelo na revista Capricho para que eu atualiza-se o pobre blog que ficou umas semanas abandonado em meio a correria!

Teve ate, no final do mesmo ano, uma epoca inusitada que o blog funcionava na forma de “foto-novela” cuidadozamente produzida com ajuda da Lu e da Luli minhas parceiras de crime e aventuras, inclusive nessa epoca rolaram as loucas historias dos meninos perdidos sem-nocao! (haha.. bons tempos aquele!)

Aos poucos a rotina e o dia a dia foram ficando corridos demais, e como a minha vontade de escrever era inversamente proporcional a minha capacidade de encontrar horas livres no meu dia, minhas atualizacoes foram ficando mais raras, e depois de 2005, praticamente inexistentes.

Nesse mesmo periodo, embarquei numa aventura para as terras distantes, onde vivenciei pouco mais do que dois loucos anos de vivencias, experimentacoes, erros, acertos, decepcoes, paixoes, reflexoes… poderia ficar horas aqui tentando resumir em palavras o que esta absurda exposicao cultural, que me tomou de forma violenta representou para a (des/re)construcao da minha identidade.

A (des/re)construcao do meu Eu (ou quem eu acreditava ser Eu!) nao foi em nenhum momento facil, nem foi algo que eu planejei fazer, sair da minha zona de conforto era algo estranho, me deixava com o estomago embrulhado, uma extranha sensacao de perda de controle que deixa um gosto azedo na boca e uma impotencia sem explicacao.

Apesar de doloroso, tudo isso foi bom! (nao, isso nao tem haver com tendencias masoquistas!) Tudo isso me fez questionar valores, meus proprios pre-conceitos, questionar o que eh? E porque eh? Estranho foi perceber que nao tenho essas respostasa… ou melhor, talves elas ate existam, mas nem sempre fazem sentido – assim como este texto/divagacao pode nao fazer sentido nenhum para voce.

Essa exposicao aconteceu de forma um tanto quanto inexperada, em questao de mes, estava com as malas prontas, mudando para um lugar desconhecido, disposto a desbravar as maravilhas do mundo… me armei de energias positivas, coloquei um sorriso sonhador na cara, e embarquei tentando convencer a todos e a mim mesmo de que eu sabia o que estava fazendo. Na verdade eu nao fazia ideia.

Uma vez de malas prontas, entrei em um caminho sem volta… nesse caminho me perdi por momentos que se confundem por esses incontaveis lugares que passei. Foram mais de 900 dias, 24 paises, inumeros idiomas, grandes desafios, milhares de pessoas, muitos amigos, alguns amores, algumas decepcoes, varios lugares tristes, turisticos, desafiadores e especiais, sabores picantes, amargos, doces e com gosto de quero mais! Viagens de carro, de aviao, de trem, de barco, de navio, ate de caiaque, balsa, helicoptero, bicicleta, caminhao, carroca, CARONA! e eh claro, sem contar as longas horas de caminhada apeh….

Enfim, depois de um “estupro cultural” como o que eu fui violentamente submetido, seria impossivel seguir com minha rotina de tempos atras, quando eu tinha vergonha de falar em publico, odiava qualquer lingua extrangeira, ia da casa para a escola, sabia toda a programacao infantil da TV, e acreditava que o mundo era tao grande quanto a distancia de Santos a Botucatu (mais ou menos 3 hrs de carro!!!).

Acho que nao da muito pra explicar o que isso significou pra mim… e de certa forma, eu me frustro em nao poder compartilhar dessa experiencia louca. Por isso um blog!

Porem o tal blog do “Mundo do Johnny” que tinha uma despretenciosa ambicao em ser apenas um diario virtual cresceu comigo. Seis anos se passaram, e hoje ele funciona como um recurso, uma ferramenta para construir, descontruir, e claro, reconstruir um pouco da minha identidade. Para mim ele me serve para desabafar, para tentar dividir um pouco disso tudo, das coisas que vejo, das coisas que sinto, que experimento, e ate mesmo das coisas que eu nao entendo, como eh o caso com este bule de cafe!!!

Depois de algumas horas na Italia, ja acomodado em meu novo apartamento, em meio a uma rodinha de “entrevista” com meus flatmates (companheiros de apartamento) veio a pergunta de forma direta e apreensiva.

– “Voce sabe fazer cafe?!”

Fiquei meio sem graca, nao sabia direito o que responder, pra mim cafe eh cafe, poe-se no coador, agua quente e esta pronto! Ou mais simples, usa-se o cafe soluvel, mas por algum motivo, senti que eles esperavam mais, eu sabia que isso nao era exatamente o que eles gostariam de ouvir.

– Sei! Quer dizer, nao sei! Acho, sei la… que tipo de cafe!? – respondi meio inseguro

No mesmo momento, os tres: Francesco (Frasko), Matteo e Mauro me olharam com um olhar de reprovacao, levantaram e foram ate a cozinha. Sem saber direito o que fazer, fui atras, tentando entender o que se passava.

Fui introduzido entao ao Bule de Cafe Italiano!


Eis que parece uma misteriosa e magica engenhoca…. parece simples, como se fosse uma jarra de metal, soh que ela tem dois compartimentos. O de baixo, voce destarracha e completa com agua, em cima, voce coloca uma pecinha que parece um ralo e coloca o cafe em cima (faz uma montanhinha! – como eles mandaram!), dai atarracha a parte de superior do artefato esmagando o po de cafe, a parte de cima tem forma de jarra, mas no meio tem um caninho com um furo (parece aquelas formas de bolo que tem um furo no meio, sabe?!). Enfim, depois de tudo devidamente atarrachado, coloca-se o bule no fogo e deixa… em um passe de magica, a agua vai comecar a borbulhar, vai pular pra cima, passando pelo poh de cafe fazendo assim o famoso cafe italiano, que fica armazenado no recipiente de cima (o que parece com a forma de bolo!)… magico nao!

Porem mais magico foi perceber o quanto esse “cafe piccolo” (vulgo cafezinho!) tras um saborzinho cultural, que misturado com duas colherinhas de “zucchero” fica perfeito para o comeco de um (re)encontro com minha identidade.

De volta as minhas raizes italianas espero encontrar um pouquinho mais de mim. Ou talves tudo, ou talves nada…. nao importa, estou de peito aberto para o que esta por vir…

E que venha tudo… e muito mais!

Prometo atualizar este blog frequentemente, agora estou com mais tempo para me dedicar a isso… ate a proxima atualizacao…

Ciao