Genero & Mudanças Climáticas – Debate em Brasília

Galera que está ou estará em Brasilia semana que vem!!!
Queria aproveitar e convidar a todos para uma super atividade da Change Mob (www.change-mob.org) e Griô Produções que vai rolar em Brasília.

 

Mudanças climáticas são uma questão de gênero?

Filme Weathering Change, da ONG Population Action International, mostra como as mudanças climáticas afetam homens e mulheres de forma diferente. Projeção do filme para representantes políticos, em Brasília, será seguida de debate.
“A vida de uma mulher é difícil, e as mudanças climáticas estão tornando-a ainda mais difícil”, diz Aregash Ayele, 32 anos e seis filhos, moradora de uma comunidade rural na Etiópia. Por conta das mudanças no padrão das chuvas, as plantações estão enfraquecidas, e os homens precisam migrar para outros locais em busca de sustento. O peso de cuidar da plantação, da casa e das crianças recai sobre mulheres como Aregash.
Esses são alguns dos efeitos que o aquecimento global causa na vida de muitas famílias. As alterações no clima já são sentidas em diversas partes do globo, e não afetam as pessoas da mesma forma, principalmente em países em desenvolvimento, como a Etiópia e o Brasil.
Para mostrar o papel que tem o gênero nesse cenário, a ONG Population Action International (P.A.I.) lança o filme Weathering Change, que trata dos efeitos das mudanças climáticas nas famílias e de como o planejamento familiar, a educação das crianças e a agricultura sustentável ajudam as comunidades, em especial as mulheres, a se adaptarem às mudanças. Com a população mundial beirando 7 bilhões de pessoas, é preciso aumentar o acesso à contracepção e dar recursos para que homens e mulheres consigam lidar com o que vem por aí. O filme conta a história de quatro mulheres de diferentes países e de como as mudanças no clima estão afetando suas rotinas.
O filme Weathering Change será exibido em Brasília em uma sessão especial para os representantes políticos, no dia 22/05/2012, às 17h30, no Plenário 3 do Anexo II da Câmara dos Deputados. Após o filme, que dura cerca de 14 minutos, haverá um debate entre políticos e especialistas. O filme e o debate são uma preparação para a conferência Rio+20. Haverá posteriormente exibições públicas em São Paulo e no Rio de Janeiro. Mais informações podem ser acessadas no site http://www.generoemudancasclimaticas.org
O filme Weathering Change será exibido em Brasília, em uma sessão especial para os representantes políticos; em São Paulo, em uma sessão para jornalistas e blogueiros; e no Rio de Janeiro, em uma sessão para ativistas e empreendedores sociais. Após o filme, que dura cerca de 14 minutos, haverá debates entre os participantes e os especialistas. O filme e o debate são uma preparação para a conferência Rio+20. Haverá posteriormente exibições públicas em São Paulo e no Rio de Janeiro.
Para maiores informações visite o site do projeto: http://www.generoemudancasclimaticas.org/
Advertisements

Miss Representation!

Miss Representation explores women’s under-representation in positions of power and influence and challenges the limited and often disparaging portrayals of women in media.

The film Miss Representation exposes how American youth are being sold the concept that women and girls’ value lies in their youth, beauty and sexuality. It’s time to break that cycle of mistruths.

In response we created MissRepresentation.org, a call-to-action campaign that seeks to empower women and girls to challenge limiting media labels in order to realize their potential.

We are uniting individuals around a common, meaningful goal to spark millions of small actions that ultimately lead to a cross-generational movement to eradicate gender stereotypes and create lasting cultural and sociological change.

Find a screening: missrepresentation.org
Join the movement: facebook.com/missrepresentationcampaign
Spread the word: twitter.com/representpledge

Getting Gender and Sexual and Reproductive Health and Rights in the Agenda! (DPI in Bonn)

Gender and Sexual Reproductive Rights and Health are definitely in the agenda here at the DPI. I’m at the side-event: “Giving a Voice to Grassroots People – The Fulda-Mosocho Project in Kenya” that is working to prevent Female Genital Mutilation and by preventing FGM is connecting the dots between protecting the planet and giving people the change for a better life.

(You can find more information about the experiences in Fulda-Mosocho Project – www.fulda-mosocho-project.com)

And for those who would like to learn more about the topic, they just shared a UNICEF report called: “The Dynamics of Social Change – Towards abandonment of female genital mutilation/cutting in five African countries.” you can download it at the link: http://www.unicef.at/fileadmin/medien/pdf/fgm_insight_eng.pdf

But if you are still not clear about why sexual and reproductive health and rights are imperative to ensure a real sustainable development, check this article with a very clear economic argument also shared in the session! http://www.weibliche-genitalverstuemmelung-ueberwinden.com/Dateien/Release-Konsens-2007.pdf

Vai melhorar!

Vale a pena conferir o trabalho incrível do Andre Matarazzo e do Gustavo Ferri no curta “Não gosto dos meninos”

O curta foi feito inspirado no movimento “It Gets Better” iniciado nos Estados Unidos depois de uma assustadora sequência de suicidios entre adolescentes que sofriam bullying por serem gays, lésbicas, bissexuais ou transgêneros.

E claro, todas as histórias do curta são reais… pessoas de carne e osso, como eu e você… pessoas com seus sonhos, suas famílias, seus empregos e sua vida…  como deveria ser.

Sim, deveria.. mas para algumas pessoas infelizmente não é!

Estamos em 2011, e ainda hoje vivemos em um mundo onde 76 países ainda considera o amor um crime! E mesmo em países menos extremistas, ser da comunidade GLBTT pode custar as pessoas suas casas, seus empregos, suas famílias e infelizmente muitas vezes suas próprias vidas.

E não faltam histórias para ilustrar essa triste realidade!

E apesar de ser um tema ainda tratado como tabu, finalmente está virando política pública aqui no Brasil! O que eu acredito ser um importante passo para a democracia e a cidadania no nosso país.

Reconhecer a união homoafetiva ja foi um grande passo, mas agora vem o principal desafio! Garantir que os direitos da comunidade GLBTT sejam vividos plenamente no dia a dia de nosso país. E pra isso acontecer, precisamos de educação!

Em meio a tanta confusão sobre o tal do “Kit Anti-Homofobia”, que foi vetado pela presidenta Dilma (cedendo a pressão da bancada evangélica no Congresso Nacional, mesmo sem ter ao menos analisado o conteúdo do kit pessoalmente!)… acho que acabamos nos perdendo na discussão!

A mídia esta repleta de artigos, vídeos, acusações… tem lado dizendo que os gays estão querendo “converter” nossas crianças… o outro lado denunciando a homofobia… muitas informações desencontradas, várias versões diferentes do tal conteúdo do kit.

E em meio a tudo isso, esquecemos que o único objetivo – acho que para TODOS nos cidadãos brasileiros – é garantir que todo mundo possa viver bem e ser feliz… vivendo uma vida repleta de amor, respeito, livre de ódio, discriminação e abusos de qualquer natureza.

Realmente uma pena que o tal “Kit Gay” tenha sofrido tanta resistência e oposição… talvez um curta como o “Não gosto dos meninos” possa servir pra lembrar as pessoas, que falar de direitos gays é falar de pessoas reais, de carne e osso, com sonhos, familias, empregos… como eu e como você!

I have sex! And I have the right to be safe!

I have sex! is a campaign started in the USA to protest the huge budgetary cuts which obviously will affect the work Planned Parenthood is doing there.

Unfortunately, Planned Parenthood is not alone.. it seems that more and more governments are choosing to close their eyes for the fact that young people in their countries are having sex, and they have the right to have appropriate information, and access to services in order to do it safely.

Beliefs apart, governments can no longer ignore the evidences!

16 million girls aged 15 to 19 give birth every year!  They are not necessarily prepared to raise a child, but the challenges of teenage pregnancy get even more problematic in developing countries, complications during pregnancy or childbirth are the leading cause of death for girls aged 15-19 in the global south.

Young people aged between 15 to 24 years old also account for 40% of all new HIV infections among adults worldwide in 2008.  Which means that globally, we have currently more than 5.7 million young people living with HIV/AIDS. And exactly because of lack of access to protetion and education, every day, 2500 more young people get infected with the disease.

In order to tackle this emergent issue, and fully recognize young people’s sexual and reproductive rights we must achieve universal access to safe and youth-friendly sexual and reproductive health care services, which includes access to evidence-based comprehensive sexuality education, in formal and non-formal settings.

According to a United Nations study, sexuality education is far more cost-effective when it’s mandatory and integrated in the formal educational systems.

The UN Education, Scientific and Cultural Organization (UNESCO) launched the this six-country study at the meeting of the Inter-Agency Task Team (IATT) on Education of the Joint UN Programme on HIV/AIDS (UNAIDS). The study shows that the cost per learner in well established programmes in countries like Nigeria and the Netherlands are significantly cheaper if compared to small pilot programmes in Kenya and Indonesia.

Mark Richmond, UNESCO’s Global Coordinator for HIV and AIDS celebrates that now we have the  data and analysis to make a stronger and better informed case for investing in school-based sexuality education programmes!!! He added that this landmark study gives an economic basis to our belief in sexuality education as a key platform for HIV prevention amongst children and young people in the years to come. And this will be a very powerful tool in our advocacy efforts!

But we still have a looooooonnnng way to go!

More and more we are getting creative in strategies to raise awareness among young people, education can be interactive and fun…

And every place has it’s on style:

no judging!

But there are plenty of good examples online, like this Portuguese TV add, for the HIV Prevention Campaign led by the Health Comissionary in Portugal.

The text of 5 reasons to not wear a condom add in English below:

“a condom – spoils the moment
a condom – takes away the pleasure
a condom – is unconfortable
a condom – is hard to put on
a condom – reduces sensibility

Think twice – Go for adventure – Use a condom”

We just need to facilitate so these kind of information can reach the people who need it!

It’s time for people to loose the fear of talking and about sex and sexuality, specially in formal institutions…

In the very end, things are happening, times have changed, and we need to change and adapt to it!

My friends have sex! I have sex! And we all plan on having much more!

It’s our right to have our sexual and reproductive health respected!

Check out http://www.youact.org/news-article.php?show=m&id=32 for the Joint Youth Statement on the Sexual and Reproductive Health and Rights of Young People, created for the UN International Year of Youth, by YouAct, Y-PEER and other partners.