The Statement of the Rustler’s Valley #Youth Retreat – #ICSW

IMG_5017

We are 60 diverse young people from all continents of the world who met in Rustler’s Valley, South Africa from November 16 to 19, 2014 to discuss the state of civil society around the world and consider our role as young people within it. We do not claim to speak for all youth, or for the diverse views from within our own countries, but rather we seek to lend our voices to the on-going debate about the role of civil society in the social, political and economic transformation of the world. We also want to respond to and further develop the conversation begun by the Open Letter for Activists as young people engaged at grassroots, national and international levels.

Increasingly, the face of civil society around the world is a young one. Yet, we recognize much may be learned from other generations; their struggles, histories and lessons. Although we will face many of the challenges of the future, we believe that with intergenerational partnerships and a shared responsibility, we can transform civil society and therefore global society.

Current strategies to address restrictions on civil society space are failing. To create the necessary space at the national level, we should develop radical tactics to mobilize non traditional civil society groups, create platforms for international solidarity, and develop safe spaces where we can come together in a conducive environment to address these issues.

After much reflection, we collectively arrived at four primary topics of concern to those present: race, gender and sexual orientation; democratization of our own organisations and power structures; reform of relationships between civil society and donor organisations; and the divide between grassroots movements and civil society organisations (CSOs).

Eliminating discrimination: Race, gender and sexual orientation

As youth, we witness and experience the on-going reality of discrimination in civil society based on race, gender, and sexual orientation. We call on all sectors, especially media, governmental, non-governmental, and religious organizations, and the private sector to acknowledge and combat discriminatory practices. Civil society should lead the way by respecting diversity and completely eliminating all forms of discrimination from our own environments.

Democratization of CSOs and power structures

As youth, we acknowledge that current political, social and economic systems and organizational structures favour the few, not the many. We emphasize our duty to democratise:

  • Public dialogue through the use of inclusive and accessible language to broaden participation and break down the hierarchy among civil society and the communities we seek to serve.
  • Structures of power that prevent us from collaborating across issues and themes to establish civil society-wide avenues of influence and the elevation of our collective voice.
  • Access to intergovernmental and civil society processes for local and grassroots social movements.
  • Relationships between large civil society organizations and grassroots movements through the adoption of and respect for higher ethical standards.

Additionally, we should establish new methods of ensuring transparency, through the development of:

  • Conflict of interest indices;
  • Organization-wide gender parity measures;
  • Reporting on executive salaries and board fees;
  • Cooperation indices, and;
  • Mechanisms that ensure the full integration of all stakeholders into decision-making processes, including volunteers.

Rethinking relationships between civil society and donor organisations

As youth, the driving force of our work is our own vision, passion and values. To better serve those with whom we work, we must question the current relationships between donors and recipients. We pledge to:

  • Acknowledge the need to be financially autonomous through self-sustainability.
  • Mobilize unions through membership fees as a way of engaging our own constituencies to ensure their ownership and responsibility in our work.
  • Create alternative and innovative solutions to generate funds for our work.
  • Encourage donors to explore avenues of promoting collaboration between and with civil society organizations.

As youth, we see the increasing danger in becoming more accountable to funding sources than the communities we purport to serve. We recognize the need to first hold ourselves to account, and then:

  • Increase accountability of the international community to its by commitments and constituents
  • Develop the advocacy skills of community members to more effectively claim their rights

Relationship between Grassroots and Non-Governmental Organizations (NGOs)

The increasing importance of grassroots actors, both formal and informal, is undeniable in today’s world. Gone are the days where NGOs may claim to represent the “voices” of communities. Our communities can and do speak for themselves and stand on their own work. They invert power structures through community-driven development and building people-power globally. We believe in the following tenants:

  • Access. NGOs should work to access, identify and develop leaders and existing solutions within communities. Serving as enablers, we can support accessibility to and sharing of the core resources needed to foster greater impact.
  • Sustainability. NGOs should promote capacity-building and community ownership to both catalyse the emergence of new grassroots groups and ensure existing groups continue their work self-sufficiently and sustainably. Instead of providing ready-made solutions, the focus should be on connecting likeminded leaders in decentralized networks of information sharing.
  • Measuring success. NGOs should work with communities to develop new, community-supported, ways of measuring and interpreting success around the values of sustainable change and community ownership.
  • Reimagining the playing field. NGOs should work to reorient all funding systems to align with these tenants and the under acknowledged needs of grassroots organizations.

As young people fighting for social justice, we make these criticisms and suggestions with the hope that they will contribute to a reimagining of the role, vision and methods of civil society. We recommit our lives to the struggle against inequality, poverty, environmental degradation and all injustices in whatever shape they assume.

We perceive the vision of our letter as an invitation to all—including young people and those in decision-making positions—to take immediate action to transform civil society. Let this letter stand not only as our message to civil society, but also as a broader commitment to move forward with confidence and purpose towards a just, sustainable and peaceful world.

IMG_5144

To read the original “Open letter to activists” created at the 1st Rustler’s Retreat, check: http://blogs.civicus.org/civicus/2014/08/06/an-open-letter-to-our-fellow-activists-across-the-globe-building-from-below-and-beyond-borders/

To learn more about CIVICUS: World Alliance for Citizen Participation, check: http://civicus.org/index.php/en/about-us-125

Advertisements

Do you speak human rights!?

Today (10th of December!) is the International Day of the Human Rights!

And while this is a day to celebrate, still there are lots of things we need to improve.. daily the basic human rights of numerous people are violated or neglected. And this really needs to change!

First step to change that, is to know your rights! Your very on basic human rights, so you are able to keep governments and institutions accountable and to fight and ensure your rights and the rights of every individual in this planet is respected!

And to facilitate this “learning” process, UNOY – the United Network on Young Peace Builders produced an awesome video during their last Peace Advocacy Study Session in Budapest.

Know, Learnd and Understand your rights! Than raise you voice and speak Human Rights, in all the languages of the world!

Every voice counts!!!

Festival Clímax – Vamos direto ao ponto?

Festival Clímax

 

Em 26 de novembro, começou mais uma rodada de duas semanas de negociações da ONU sobre mudanças climáticas, a CoP-18, em Doha, no Qatar. Pensando em aproximar as pessoas da temática do aquecimento global, as organizações da sociedade civil 350.org Brasil e Change Mob realizam o “Festival Clímax – Vamos direto ao ponto?” para mostrar que as mudanças climáticas já fazem parte do nosso cotidiano.

O evento acontecerá na Câmara Municipal de São Paulo, na Matilha Cultural e na Viração, entre os dias 5 e 9 de dezembro, com exibição de filmes, realização de oficinas e rodas de conversas sobre temas relacionados ao aquecimento global e nossas vidas.

“É muito importante chamar atenção para a realidade das mudanças climáticas enquanto representantes de governos do mundo inteiro estão reunidos no Qatar. As pessoas estão ligando os pontos e percebendo que a mudança do clima já está afetando suas rotinas, seja pelo desconforto e impactos na saúde com dias com recorde de temperaturas altas em determinada região, seja perdendo suas casas por causa de uma tempestade atípica, cada vez mais frequente. Precisamos agir local e rapidamente, pois os negociadores parecem ignorar a urgência e a dimensão do problema que estamos enfrentando”, disse Paula Collet, coordenadora da 350.org Brasil.

O Clímax tem dois objetivos principais: aproximar mais pessoas da temática e unir as diversas organizações que trabalham com o tema para criarem soluções conjuntas. É importante compreender os impactos do clima na produção de alimentos, na mobilidade, no dia-a-dia das mulheres e a importância das mudanças climáticas como um tema prioritário na governança local das cidades do nosso país.

“O Festival também será uma celebração do trabalho de uma série de organizações da sociedade civil que têm realizado ações em prol da mitigação e adaptação climática na cidade de São Paulo”, afirma João Scarpelini, fundador da Change Mob.

Mais informações e programação atualizada aqui

 

***Veja a Programação do Festival Clímax – Vamos direto ao ponto?

05/12 (Quarta-feira) Tema do dia: Soluções Locais

Local: Sede da Revista Viração (Rua Augusta, 1239)

11:30 – 14:00 – Oficina de Fogão Solar com Greenpeace

Local: Câmara Municipal (Palácio Anchieta – Viaduto Jacareí, 100 – Bela Vista)
19:00 – 22:00 – Roda de conversa sobre soluções locais
Convidados:
Aline Cavalcante – Bike Anjo
Ariel Kogan – Rede Nossa São Paulo
Gabriela Alem – Ativista
Gilberto Natalini – vereador
Luiz de Campos Jr – projeto Rios e Ruas
Ricardo Young – vereador eleito

06/12 (Quinta-feira) Tema do dia: Alimentação e Consumo

Local: Sede da Revista Viração (Rua Augusta, 1239)
14:30 – 17:00 – Oficina de Estêncil com Komuniki

Local: Matilha Cultural (Rua Rêgo Freitas, 542)
19:00 – Exibição do Filme: Uma Verdade Mais Que Inconveniente / Meat The Truth
20:20 – Roda de conversa sobre alimentação e consumo
Convidados:
Ana Zilda Coutinho – agricultora
Guilherme Carvalho – Sociedade Vegetariana Brasileira
João Paulo Amaral – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC)
Nicole Figueiredo de Oliveira – Humane Society Internacional
Nina Best – Vitae Civilis

07/12 (Sexta-feira) Tema do dia: Gênero e Mudanças Climáticas

Local: Sede da Revista Viração (Rua Augusta, 1239)
15:00 – 17:00 – Oficina para criação de Blog com Escola de Notícias

Local: Matilha Cultural (Rua Rêgo Freitas, 542)
19:00 – CURTAS – Weathering Change / 5 Mulheres que fazem a diferença
19:30 – Roda de conversa sobre gênero e mudanças climáticas
Convidados:
Bárbara Lopes – Blogueiras Feministas
Barbara Gonçalves – Vitae Civilis
Gabriela Veiga – artivista
João Felipe Scarpelini – 350.org e Change Mob
Sulália de Souza – Reciclaangela

8/12 (Sábado) Tema do dia: Ativismo

Local: Matilha Cultural (Rua Rêgo Freitas, 542)
18:00 a 18:30 – CURTAS – Weathering Change / 5 Mulheres que fazem a diferença
18:30 a 19:40 – Uma Verdade Mais Que Inconveniente / Meat The Truth
20:00 a 21:30 – Vai lá é faz / Just do It

9/12 (Domingo)
Local: Matilha Cultural (Rua Rêgo Freitas, 542)
19:00 a 21:00 – Just Do It + Curtas: Weathering Change / 5 Mulheres que fazem a diferença
SINOPSES: 

FILME: Vai lá e Faz / Just do It 
Dir: Emily James
País/Ano: UK / 2011
Duração: 90 min
Classificação: 12 anos
Durante um ano repleto de acontecimentos, foi permitido a Emily James o acesso sem precedentes para filmar o mundo secreto do ativismo ambiental de ação direta. Dois anos mais tarde, Just Do It – um conto de modernos bandidos chega às grandes telas do mundo.
Emily James passou mais de um ano participando em grupos de ativistas, como o Climate Camp e Plane Stupid para documentar suas atividades clandestinas, em condições adversas, capturou mais de 300 horas de filmagem. Essa filmagem foi carinhosamente criada, moldada, por Emily e pelo editor James por mais de um ano para chegarem no resultado que pode ser visto agora no cinema.
O filme é uma história de pessoas que lutam pelo que acreditam e que se fazem serem ouvidas. Era uma história que precisava ser contada sem as limitações criativas de modelos tradicionais de produção ou o controle editorial de grandes investidores. E foi assim que Just Do It – um projeto totalmente independente – nasceu.

FILME: Uma Verdade Mais Que Inconveniente / Meat The Truth
Países Baixos / 2008
Duração 74′
Classificação: 12anos

Sinopse: Documentário feito pelo “Partido dos Animais” da Holanda. É a resposta ao “An Inconvenient Truth” do Al Gore, que trata de algumas das causas do aquecimento global, poluição e males afins, mas deixa a questão da pecuária de lado (por motivos políticos). A pecuária é a maior responsável por essa devastação. O mais interessante neste vídeo, é que ele nos alerta para o fato de que 18% das emissões de gases no mundo são causados pela pecuária, enquanto 13%, são causadas pelos transportes! Carros, tratores e aviões causam menos efeito que a pecuária, e muita gente não acredita, ou nem sabe disto, ou não imagina que o impacto seja tanto.

 

SESSÃO CURTA METRAGENS

Weathering Change 
O filme nos leva a Etiópia, Nepal e Peru para ouvir as histórias de quatro mulheres, que lutam para cuidar de suas famílias, enquanto enfrentam perdas de colheitas e escassez de água. Como a população mundial atinge 7 bilhões em 2011, o filme mostra como as mulheres e as famílias já estão adaptando aos desafios ambientais que ameaçam a sua saúde e os seus meios de subsistência.

Weathering Change documenta como o planeamento familiar, a educação das meninas, agricultura sustentável e conservação ambiental são parte da solução. O filme chama para a expansão ao acesso à contracepção e capacitação das mulheres para ajudar as famílias e as comunidades se adaptar aos efeitos da mudança climática.

5 Mulheres que fazem a diferença
O vídeo 5 Mulheres que fazem a diferença aborda a questão da percepção das mudanças climáticas em ambientes urbanos. Além disso, mostra a experiência de 5 mulheres que buscam no seu estilo de ser/estar/viver uma alternativa ao modelão predador da natureza ou desconectado da relação de dependência com o Planeta.

A real história das coisas!

Já a bastante tempo eu queria ter postado esses vídeos aqui, e finalmente ficou pronta a versão deles português para poder postar!

Com vocês, a história das coisas!

Esse vídeo é um “abridor de olhos” para muita gente….

E aproveitando o gancho do filme, que falou sobre a obsolescência planejada, a uns tempos atrás, durante o super festival Setembro Verda da Matilha Cultural tive a oportunidade de assistir um filme sobre a Conspiração da Lâmpada, que também acho super importante de conhecer…

E depois de tudo isso, você ainda sente que precisa mesmo daquele novo celular?!

Fala sério!

Vem construir um Brasil melhor você também!

Image
De 29 de outubro a 5 de dezembro, todos os brasileiros podem levar propostas para que o Brasil construa um plano de ação para a Parceria para Governo Aberto (Open Government Partnership – OGP, em inglês), iniciativa internacional criada para garantir que os governos assumam compromissos concretos para promoção de transparência, capacitação, combate a corrupção e utilização de novas tecnologias para fortalecimento da governança.

O Diálogo Virtual OGP será realizado no ambiente E-democracia, da Câmara dos Deputados.

Nesse período, qualquer cidadão brasileiro pode contribuir com a criação de propostas de compromissos para o novo Plano de Ação do Brasil.

Então bora lá galera: http://edemocracia.camara.gov.br

VAI – Quebrando o Silêncio!

Hoje rolou no SESC Belenzinho a última apresentação do Espetáculo “Vai” (adaptação do romance Push de Sapphire – q mais tarde virou o filme Preciosa) produzido pela Companhia MC Theater da Holanda para os alunos da Escola Estadual Professor Loureiro Junior, na Zona Leste de São Paulo.

Realmente hoje foi um dia especial! Alguma coisa mágica estava no ar, e a reação da platéia nessa peça que é super participativa foi indescritível. Saí do teatro com a certeza de que a arte tem um papel incrível de transformar a vida das pessoas.

Sem dúvida, eu saio deste projeto transformado!

Não apenas pelo espetáculo incrível, mas também pela semana de oficinas na escola que antecederam o espetáculo, justamente pra preparar os alunos para o espetáculo.

Mas se você ainda não viu, não se preocupe! Ainda dá tempo de assistir as duas ultimas apresentações dessa montagem que serão aberta ao público!

Vale conferir: http://www.sescsp.org.br/sesc/programa_new/mostra_detalhe.cfm?programacao_id=230933

VAI (HOL)SESC Belenzinho
Dia 3/11, sábado, às 17h. Dia 04/11, domingo, às 15h.
Peça baseada no premiado romance homônimo (“Push”, em inglês), da poeta de hip-hop Sapphire. Conta a história de Preciosa, uma adolescente analfabeta e vítima de abuso e maus tratos. Depois de ficar grávida do próprio pai pela segunda vez, se vê obrigada a deixar a escola. Preciosa muda para uma escola alternativa onde, com a ajuda de uma professora dedicada, aprende a ler e escrever. Conforme é alfabetizada, passa a assumir as rédeas da própria vida, e descobre o poder das palavras, desenvolve novos laços afetivos, e melhora sua auto-estima. Vai trata da questão da autonomia na adolescência por meio do exercício da escrira, e traz questões como analfabetismo, mães adolescentes e incesto para o centro da cena e reflexão do público. Parte de um projeto educacional mais amplo, já passou por outros países e inspirou documentário realizado pela cineasta Nina Jurna. Com MC Theater Holanda). Adaptação teatral Mariëlle van Sauers. Direção de Marjorie Boston. Elenco: Mariëlle van Sauers, Marjorie Boston, Jennifer Sint Jago. Projeto educativo de Johan van Aalst. Sala de Espetáculos I. Duração: 1h de espetáculo, seguido de 1h de debate aberto ao público.Não recomendado para menores de 14 anos.

R$ 8,00 [inteira]
R$ 4,00 [usuário matriculado no Sesc e dependentes, aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante]
R$ 2,00 [trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes]

Orgulho imenso de fazer parte deste projeto.. and bedanken for the entire MC Theater crew.. you guys are inspiring and amazing!